Coluna Italo

(44) 99941-8859
Anúncio - MOBILE MARÇO
Anúncio - JARDIM VERSAILLES FRANÇOLIN
Anúncio - banner mobile topo
Anúncio - banner mobile topo
Anúncio - arte nova mobile
Anúncio - banner rodape
Anúncio - banner mobile rodape
MISTÉRIO
Tem gente que não pega covid!!!
A ciência revela porque algumas pessoas não se infectam com o coronavírus
Publicado em 04/05/2022 às 12:15 Italo
Tem gente que não pega covid!!!

Este ainda é um dos maiores mistérios da ciência nos últimos dois anos: por que existem pessoas que não se infectam com o novo coronavírus? Os cientistas procuram responder a esta questão e três estudos podem trazer alguma clareza a esta questão.

Segundo dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, 43,3% dos americanos possuem anticorpos contra SARS-CoV-2, o que implicaria que pouco mais da metade da população não teve a infecção. Além de cuidar bem de si mesmos durante a pandemia, não está exatamente claro por que mais da metade dos americanos não foram infectados.

Da mesma forma, um dos mistérios dessa pandemia é explicar por que algumas pessoas, por exemplo o marido ou a esposa de uma pessoa infectada, não contraíram o novo coronavírus apesar de morarem na mesma casa e dormirem na mesma cama.

Mais um exemplo: das 36 pessoas que foram intencionalmente infectadas com SARS-CoV-2 em um estudo de desafio, apenas 18 foram infectadas.

Qual foi o mecanismo pelo qual, apesar de estarem infectados com a mesma quantidade de vírus, as outras 18 pessoas não desenvolveram a infecção e nem sequer produziram anticorpos neutralizantes?

COMO NOSSO CORPO RESPONDE A UMA INFECÇÃO?

Antes de mais nada, lembremos que, quando o vírus entra no corpo de uma pessoa, ele desencadeia a resposta imune, que compreende basicamente duas etapas importantes:

- O desenvolvimento de linfócitos T, ou células de memória;

- E a produção de anticorpos neutralizantes pelos linfócitos B.

As células T de memória rastreiam o vírus invasor.

Não reconhecendo, demoram alguns dias para ordenar aos linfócitos B que produzam anticorpos neutralizantes específicos contra o vírus invasor.

Se o vírus já for conhecido, esses linfócitos T, além de ordenar a produção de anticorpos neutralizantes específicos, podem atacá-lo e destruí-lo diretamente.

Estudos recentes postulam duas teorias para explicar o fenômeno pelo qual alguns seres humanos podem ser resistentes à infecção pelo novo coronavírus.

A primeira teoria diz que certas pessoas são capazes de eliminar o novo coronavírus. Isso graças aos anticorpos neutralizantes e células T de memória que eles têm em seu corpo, produto de terem sofrido de resfriados antigos.

A segunda teoria diz que certos seres humanos são capazes de produzir substâncias dentro de suas células. São substâncias que não apenas destroem o vírus invasor, mas também destroem a célula infectada.

Três estudos apoiam a primeira teoria, aquela que diz que ter sofrido vários resfriados durante a vida, anticorpos neutralizantes e células de memória direcionadas contra esses vírus podem proteger de forma cruzada contra o novo coronavírus.

No primeiro estudo, pesquisadores britânicos testaram repetidamente o sangue de um grupo de profissionais de saúde altamente expostos ao vírus durante a primeira onda da pandemia, quando as vacinas ainda não estavam disponíveis. O que eles encontraram foi algo muito surpreendente.

Os profissionais de saúde expostos ao vírus que não desenvolveram a doença — e nem foram capazes de produzir anticorpos neutralizantes — formaram células de memória especiais, que foram apelidadas de células T reativas cruzadas.

Pensa-se que tendo resfriados causados pelos quatro coronavírus antigos, eles estimularam a formação de células T de memória que foram capazes de neutralizar o novo coronavírus.

O interessante é que essas células T de memória cruzada não atacaram o pico, mas as estruturas internas do vírus. Isso abre a possibilidade de desenvolver novos tipos de vacinas, não direcionadas ao pico, mas às estruturas internas do vírus.

O segundo estudo mostrou que as crianças produzem duas vezes mais células T reativas cruzadas que os adultos, sugerindo que essa é a explicação por que as crianças não apresentam tantos sintomas quanto os adultos quando infectadas.

No terceiro estudo, foi demonstrado que as pessoas que moravam na mesma casa e não estavam infectadas também eram pessoas que produziam maior número de células T com reação cruzada.

FONTE – CNN EM ESPANHOL

WWW.COLUNAITALO.COM.BR

Comentários
Veja também